Assembleia Legislativa aprova projeto que denomina UPA de Santa Rita de Thiana Perazzo Gomes Félix
15/06/2021 20:21 em NOVIDADES

Em sessão remota realizada nesta terça-feira (15) pela Assembleia Legislativa da Paraíba, os deputados estaduais aprovaram por unanimidade o projeto apresentado pelo presidente Adriano Galdino, denominando a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), localizada na Avenida Pitimbu, Tibiri, Santa Rita, de Thiana Perazzo Gomes Félix, em homenagem a filha do vice-presidente Tião Gomes, falecida há uma semana e que trabalhou por muitos anos no local.

Para o autor do Projeto, trata-se de uma justa homenagem, tendo em vista que Thiana prestou serviços na UPA como Enfermeira e Coordenadora, e mesmo cursando faculdade de medicina, continuava frequentando a referida Unidade para ajudar toda equipe de profissionais a ofertar à população do município e região um serviço público de saúde de maior qualidade e eficiência.

“A homenageada possuía muito amor pelo próximo, sentimento este que a fez com que nunca deixasse desamparado quem mais precisava, dedicando parte considerável do seu tempo para cuidar da saúde e do bem-estar das pessoas. Ajudar a UPA era uma devoção quase que sacerdotal. É também uma homenagem ao pai amoroso e dedicado, meu amigo Tião Gomes e a Adria Perazzo que perderam sua filha aos 39 anos de idade. O profissionalismo da homenageada cativou o amor não apenas dos profissionais da UPA, como também dos seus pacientes, que a tratavam como um membro de suas famílias, em virtude da sua forma solidária e humana na atenção com o próximo”, disse Adriano Galdino.

O deputado João Gonçalves se solidarizou com o colega Tião, recordando o tempo de faculdade dos dois juntos. “Seu amigo velho da escola de Areia, eu deixo aqui os mais profundos sentimentos a você e sua família. Fica com Deus, amigo”, disse João.

Lindolfo Pires que perdeu o seu pai no fim de semana, também foi solidário ao colega de parlamento. “Tião, me solidarizo com você e estamos nessa dor imensa e infinita que só Deus e muita fé nesse momento”, disse.

Ricardo Barbosa também registrou seu sentimento de pesar, além de demais parlamentares.

Ainda muito abalado, Tião Gomes não teve condições de participar da sessão e solicitou que o deputado Júnior Araújo fizesse a leitura do seu discurso em memória de sua filha.

Veja abaixo a homenagem de Tião Gomes lida por Júnior Araújo:

Nunca pensei em utilizar a tribuna desta Casa para falar sobre o falecimento de um filho ou filha. Isso não passou em nenhum momento, nesses quase trinta anos de mandato de deputado estadual, que faria esse pronunciamento.

Entretanto, aconteceu. Estou aqui falando mais como pai do que como parlamentar. Me sinto na obrigação de fazê-lo em homenagem a minha filha Thiana, porque meus dias se tornaram escuros e minhas noites me deixam em claro, desde o último dia 9 de junho.

Digo-lhes, com todo coração machucado, que é dolorido a inversão da cerimônia funeral de um pai enterrar uma filha, quando ele, naturalmente, é quem deveria ir primeiro do que ela.

Como me conformar diante de uma situação como essa a que estou vivendo? É muito difícil, como difícil será conviver com sua ausência, minha filha.

Deus tem me confortado nos últimos dias e tento aceitar o Seu consolo, sabendo que “o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria” (Salmos: 30;5). Mas, confesso pra vocês: minha alma está muito triste e busco animá-la na bondade do meu Senhor.

Thiana nasceu tendo a alegria como companhia. Espalhou a durante a infância, adolescência, juventude e na idade adulta. O seu sorriso foi contagiante para nossa família, para o círculo de amizade que construiu, para os seus pacientes na enfermeira da UPA de Santa Rita, para seu marido, seus filhos e seus cachorrinhos de estimação.

Dedicava-se a ajudar a quem lhe pedisse ajuda. Quando sabia que alguém do seu convívio ou não estava triste, procurava dar-lhe consolo, conforto e alegria. Ela era assim, desde menina, um ser iluminado com a missão de ajudar o próximo.

Mesmo sendo formada em enfermagem, casada com Vicente Félix e mãe dos meus netos: Eduardo e Antônio Gomes, decidiu fazer medicina com o intuito de prestar assistência à saúde aos mais necessitados.

Aliás, era uma revoltada com a desigualdade social e sempre estava disposta a ajudar os pobres. Parecia levar no coração e na razão os versículos bíblicos de Romanos 31: 8-9, quando diz:

“Erga a voz em favor dos que não podem defender-se. Seja defensor de todos os desamparados. Erga a voz e julgue com justiça; defenda os direitos dos pobres e dos necessitados”

Talvez, tendo essas palavras sagradas como bússola em sua vida, se orgulhava de ser uma “Lulista” consciente, admiradora do ex-presidente do Brasil por ter amenizado a fome e o desemprego dos brasileiros das camadas sociais mais necessitadas.

Como enfermeira e como estudante do quarto ano de medicina, tinha o direito de se vacinar, mas cedeu o lugar dizendo que outras pessoas estavam precisando da vacina mais do que ela. Essa era a minha Thiana, sempre disposta a amar o próximo, mas do que a si mesma.

Poderia está viva, como centenas de milhares de brasileiras e brasileiros que perderam suas vidas durante a pandemia pelo COVID-19, se o governo federal tivesse tomado todas as providências para enfrentar a pandemia, e, principalmente, comprar vacinas.

A Pfiser mandou 53 emails em 2020 ao governo do Brasil oferecendo a vacina. Prometia entregar 70 milhões de doses em dezembro passado. Mas o governo Bolsonaro se negou a negociar com a empresa.

Já pensou quantas vidas teriam sido salvas se fosse realizado esse contrato? Estudos mostram que mais de 150 mil mortes teriam sido evitadas e, talvez, a minha Thiana estivesse viva.

Além de não comprar vacinas, esse presidente genocida zomba com a dor dos que perderam seus entes queridos. Palavras chulas são ditas no lugar de palavras de confortos para nossas famílias.

Não foi uma, mas várias frases ferem nossos sentimentos: “vai ser só uma gripezinha”; “E daí, sou Messias, mas não faço milagres”; “Não sou coveiro”; “a pressa da vacina não se justifica, porque você mexe com a vida da pessoas”; “chega de frescura, de mimimi, vão ficar chorando até quando?”.

Desprezo esse presidente genocida. Isso não é gente, ser humano, muito menos cristão. Sua política governamental está matando ou deixando que a morte alcance diariamente milhares de brasileiros. É um ser desprezível que merece ir às barras da justiça para que responda pelos seus crimes cometidos durante a pandemia.

No próximo ano, nas eleições, estarei combatendo a candidatura desse genocida e, por minha filha Thiana, defenderei a candidatura de Luís Inácio Lula da Silva para presidente do Brasil.

Por fim, senhoras e senhores deputados, gostaria de agradecer a vocês por todas as manifestações de solidariedade que recebi nos últimos dias. Cada palavra recebo como bálsamo na ferida aberta em minha alma.

Peço licença para um agradecimento especial ao presidente desta Casa, Deputado Adriano Galdino, que apresentou um projeto de Lei denominando de Thiana Perazzo Gomes Félix a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município de Santa Rita.

Não sei como retribuir essa homenagem feita pelo amigo Adriano Galdino à minha filha. Serei grato a ele e a todas as deputadas e deputados que aprovarem esse Projeto de Lei.

Muito obrigado.

Tião Gomes

Fonte: paraiba.com.br

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!